O tempo passa, muda muita coisa e outras nem tanto

Fala Diretora

Estava refletindo há poucos dias sobre o conhecimento que as crianças e jovens têm hoje comparado ao que tínhamos no nosso tempo, na nossa meninice e juventude!
Fico sempre estarrecida com coisas que ouço da boca de pequeninos! Sabem tanta coisa! O conhecimento para eles é um refresco, algo natural como beber água. Sabem sobre animais, plantas, países, história, mitologia e por aí vai. Uns queridos!
Parece, como diz um velho amigo, que já nascem com cinco anos!
O vocabulário dos pequenos em sua maioria é amplo, tem frases que eu só usei quando era adulta!
Crianças de 8 anos sabem mais inglês do que eu sabia com treze anos!
Motivo de assombro de minha parte, mas também de uma descoberta cruel; as crianças e os jovens olham para a escola com desdém. Lá não é mais o lugar privilegiado de construção de conhecimentos.
Nos anos de nossa infância a escola era o único lugar de aprendizado formal. Era lá que alguém nos falava sobre anfíbios, esses seres mágicos que vivem um tempo na água e depois na terra. Era lá que o professor nos falava as capitais dos principais países do mundo. A escola era nossa tábua de salvação.
Hoje os meios midiáticos, bem como a internet com seus aparelhos encantadores, ensinam crianças, jovens e velhos (esses com um pouco de desconfiança e muita dificuldade, eu que o diga!).
Quero fazer um prato diferente que nunca fiz. Procuro no celular e encontro pelo menos umas dez receitas. Vou jogar fora todos os meus livros de culinária!
Como é que nós mortais professores vamos sobreviver com o conhecimento disseminado, distribuído, ofertado em bandeja de prata por onde quer que procuremos?
Ah, a chave do sucesso, a receita que não tem nenhuma concorrência é o contato social! A troca entre professor e alunos, entre alunos e alunos. O olho no olho, o sorriso, o incentivo, o elogio, o afeto, a avaliação sincera ….Ah, isso sim não tem precedentes!
O conhecimento está para todos em todos os lugares, mas o lugar do professor está marcado com sabor humano sem igual; aquele que é único, porque cada educador é único também.
Muito tempo ainda vai passar. Muita água cristalina e fresca vai passar embaixo da ponte, mas nós seremos sempre importantes para nossos meninos. Quem viver verá!
Sou ou não sou uma otimista inveterada?

Sonia Regina P. G. Pinheiro

Comentários

Carregando...