Fechar Menu

Por que professores carregam tantas sacolas?

30 | 09 | 2016
Fala Diretora
0 comentários

515 visualizações

Por que professores carregam tantas sacolas?

Quem me vê todos os dias ao sair de casa se assusta! Saio carregada! Bolsa e sacolas para todo lado.
“O que você leva nessa cestinha? ”, perguntava o lobo mau à Chapeuzinho Vermelho. Mistério?
Reparo em outros educadores. Tudo igual! Carregam o peso do mundo nas sacolas e pastas que ostentam no dia a dia. Por que será?
No meu caso é um costume antigo! Quando não estou carregada, parece que falta alguma coisa.
Parece mania e é um pouco, mesmo. O que carregamos nesses verdadeiros baús? Tudo e mais um pouco: bolsinhas com canetas, canetinhas, borracha, régua, carimbos, apontadores, lápis de tudo quanto é cor, marcadores de texto, pinceis, papéis a dar com pau, paninhos, lenços descartáveis, cadernos, cadernetas, agenda, provas para corrigir, livros didáticos, outros livros e isso sem contar o que mulheres normais (e outras nem tanto) levam nas bolsas, verdadeiras canastras!
Com isso, por onde passo, chamo a atenção! Portas de elevadores são abertas, ajudas para por isso aqui, isso ali, dentro ou fora do carro e mil gentilezas.
Mas num outro dia aconteceu o que gerou essa crônica. Algo inusitado. Saindo de minha sala topei com um aluno, já rapaz. Ele estava indo numa direção e quando me viu tomou de minhas mãos a bagagem rotineira e me acompanhou até a saída. Fiquei pasma! Agradeci e perguntei seu nome.
Fiquei um tempão olhando o garoto voltar a direção que estava tomando. Surpresa agradável! Tapa na cara de quem acha que nossa moçada não tem educação e não é capaz e um gesto de gentileza ou carinho.
Nota dez para quem acredita neles!
Nossos educadores, assim como eu, gostam de estar carregados. Sentem-se seguros e armados para a luta cotidiana no cumprimento do dever sagado de prover a meninada com elementos para se desenvolverem de forma desejável: educação formal e informal.
Porém, precisa de tanta sacola? Sei lá, vai que precisa! É melhor pecar sempre pelo excesso nesse caso.
Se você ainda não prestou atenção, repare: bom educador anda sempre carregado, principalmente de boas intenções e expectativas.

Sonia Regina P. G. Pinheiro