Boas festas e coragem para enfrentar o Ano Novo!

Fala Diretora

Há um clima diferente no ar: um corre-corre para uns, estresse para outros e para todos a sensação de que realmente o ano chega ao fim mesmo!
Ouvi de muitas pessoas e li também aqui e ali que esse ano foi pesado.
O peso do ano vai na direção de acontecimentos funestos e inesperados. Vai na contramão dos nossos sonhos, de nossos anseios e de boas coisas que desejamos e que talvez não tenham acontecido. Verdade!
No entanto, devemos nos lembrar que é mais fácil contar lamúrias, tristezas e fracassos do que nossas conquistas, a começar por estarmos vivos, junto à família e com vontade de trabalhar firme por nós e por quem amamos.
O Natal está batendo em nossa porta.
Nessa época os sentimentos ficam à flor da pele para a maioria das pessoas. Muitos saem em debandada, enfrentando filas quilométricas com vistas a comprar presentes para amigos e familiares. Outros se encolhem tristonhos por não terem condições de fazer o mesmo.
Enquanto isso, o Aniversariante, o homenageado deve estar muito inconformado com o rumo que sua Festa toma.
Aqueles que não têm emprego ficam sonhando com o ano seguinte, na esperança de que seus dias serão melhores. Não há nada mais cruel do que o desemprego.
Sonhamos todos com o ano seguinte e pensamos no que ele poderia nos trazer e alegrar nossa existência. Para uns seria mesmo um emprego, para outros o ingresso numa Universidade de renome, para alguns um novo amor, para muitos e muitos paz e saúde.
As incertezas são necessárias para nos impulsionar, fazer com que levantemos da cadeira e saiamos em busca do que almejamos.
A educação do país está na UTI e já faz muito tempo!
Cada vez que são publicados resultados comparativos com outros lugares do mundo as pessoas arregalam o olho. Sentimos vergonha. Sentimos tristeza. Sentimos principalmente que do jeito que a banda toca, vamos continuar muito tempo nessa incômoda posição.
Cada um de nós deve sinceramente fazer um mea culpa e pensar como poderia colaborar para que nossa posição no ranking dos países com melhor índice de educação se elevasse.
É muito fácil culpar, acusar e punir. Não é tão fácil assim arregaçar as mangas e se dedicar a fazer algo de concreto.
Enquanto a educação servir de massa de manobra, de palanque eleitoral e de item de segunda necessidade, vamos ter que nos contentar e bater palmas para outros.
Que nossas esperanças no futuro sejam imorredouras! Boas Festas!

Sonia Regina P. G. Pinheiro

Comentários

Artigos recentes
Ensino médio

Café “Projeto de Vida”

Institucional

15º Concurso Literário

Educação infantil

Carnaval 2020

Ensino médio

Projeto “Veteranos na escola”

Carregando...